Colunistas


Personalidades - Alexandre Szostakowski

Construtor do altar mor e jovem empreendedor
15/12/2019 Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski

Na nossa coluna de hoje falaremos de um cidadão Dom Felicianense que além de ter construído o belíssimo Altar Mor de nosso Santuário, ainda era proprietário do cinema que existia em nossa comunidade, isso mesmo, Dom Feliciano já possuía um cinema. Seu nome era ALEXANDRE SZOSTAKOWSKI, um jovem sonhador e de talentos incríveis. Nasceu em 1894 na colônia São Feliciano, filho de José Pedro Szostakowski  e Valéria Narosny, ambos imigrantes poloneses. Aprendeu o ofício de marceneiro com seu tio Alexandre Narosny em Montevidéo no Uruguai, onde por lá residiu por um tempo. Casou-se em 1917 na colônia de São Feliciano com Cecília Choinski, filha de Estanislau Choinski e Anna Milwicz também imigrantes ieram em 1890 para colônia, polonês que se estabeleceu e constituiu sua família também em nossa comunidade, tendo as filhas Apolônia (falecida na infância), Emíllia Lídia, Eleonor e Philomena.  Como autoditada e grande empreendedor e sonhador, desenvolveu diversos  negócios na década de 20. Iniciou com uma marcenaria , abriu um comércio de tecidos e calçados e instalou uma fábrica de café, onde tinha transito livre em Pelotas onde vendiam as coisas e compravam com seu pai José Pedro e o amigo Ludovico Janovik. Foi precursor do cinema mudo que era bastante frequentado pela comunidade, onde partes  do mesmo se encontram no Museu da Casa da Cultura que foram doados por sua filha Eleonor Szostakowski Garcia  que era esposa do nosso primeiro médico residente Dr. Darcílio de Souza Garcia. Foi também agente do Banco Pelotense, proprietário rural e o principal desenhou e depois  construiu o Altar Mor de nosso Santuário, iniciando em 1917 e inaugurando dia 20 de novembro de 1921, sendo que o desenho do altar que foi confeccionado por ele antes de ser realizado, encontra-se também no Museu Municipal  da Casa da Cultura, foi doado pela família, e encontra-se emoldurado em vidro para  se manter conservado. Então quando visitar o Museu peça para ver este belíssimo trabalho. Sendo que os altares laterais que ficaram na Igreja até os anos 60, foram construídos pelo seu tio Alexandre Narosny, que o auxiliou uns dias. Foi também um dos primeiros proprietários de veículos motorizados, um automóvel  e um caminhão de carga Ford modelo T. Em 1945 seguiu para Porto Alegre onde adquiriu um sobrado e inaugurou uma loja de tecidos e miudezas no Bairro Menino Deus por volta do ano de 1947. Mais tarde em 1958 demoliu o sobrado e construiu um edifício. Faleceu em 26 de dezembro de 1970 em Porto Alegre. E fica então nossa homenagem póstuma a este jovem idealizador que além de construir nosso belíssimo altar, ainda trouxe o cinema para nossa comunidade. Até nossa próxima coluna, abraços.






 


MAIS DO COLUNISTA

FACEBOOK

1

NEWSLETTER

Informe seu e-mail e fique por dentro das nossas novidades!

PREVISÃO TEMPO

HORÓSCOPO

COTAÇÃO AGRÍCOLA

INSTAGRAM

PODCASTS