Colunistas


Personalidades - Francisco Valdomiro Lorenz

Parte I
14/09/2019 Fonte: Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski

Queridos leitores, nas próximas edições de nossa coluna estaremos falando sobre uma das pessoas mais ilustres e sábias que viveu em Dom Feliciano, era natural da República Tcheca mas escolheu a colônia São Feliciano para seu lar, FRANCISCO VALDOMIRO LORENZ, o qual temos orgulho em dizer que temos em Dom Feliciano o Memorial Francisco Valdomiro Lorenz que guarda seus restos mortais. Nasceu com o nome de Fratisek Vladimir Lorenc era intelectual, professor,  agricultor, filósofo, médico homeopata, escritor (74 obras publicadas), tradutor,  astrônomo, astrólogo, poliglota (dominava mais de 100 idiomas), esperantista, filantropo,  Patrono de uma Loja Maçônica, Delegado Geral do Círculo Esotérico do Pensamento no RS, Doutor em Cabala pela Ordem Cabalística da Rosa Cruz e médium renomado que dedicou sua vida fazendo o bem ao próximo. Nascido na pequena província de Zhor - em Zbislav, uma pequena aldeia das Montanhas Boêmias integrada a Áustria e atual distrito Písek na República Tcheca, no dia 24 de dezembro de 1872, véspera de Natal. Filho legítimo de Francisco Lorenz e Tereza Lorenz, tinha 3 irmãos e 1 irmã naturais da Tchecoslováquia. Era desde cedo um fenômeno linguístico pois começou a ler  com apenas 5 anos de idade. Aos 17 anos já era professor e falava fluentemente a Língua Inglesa, o Francês, Alemão, Italiano, Hebraico, Árabe, Grego, Chinês e o Aramaico a Língua falada por Jesus.  Sobre sua vida religiosa, a mãe pensava por ele ser tão inteligente tornar-se sacerdote. Porém quando ainda residia na República Tcheca um amigo o convida para uma Sessão Espírita, e ele achava que não deveria ir, mas de curiosidade, acabou indo e virou parte principal daquela sessão mesmo não estando na mesa no momento, os Espíritos disseram que ele teria que ir além dos mares (Brasil) e que lá seria um grande médium e teria uma grande missão a cumprir, e assim futuramente se realizou, ele ficou encantado. O Espiritismo tinha sido organizado pelo francês Allan Kardec havia poucas décadas. O estudante que já falava inúmeras línguas ficou fascinado pela experiência de também poder falar com espíritos desencarnados e adotou a Doutrina Espírita, desistindo do sacerdócio católico. Aos 18 anos em 1890 publicou o 1º Manual de Esperanto para os Tchecos, Esperanto que é considerada a  língua universal que ele tanto sonhava que fosse falada por todos, pois não importando onde estivéssemos poderíamos nos comunicar, e Língua pela qual se tornou um verdadeiro Mestre, sendo ele um dos fundadores da Associação Universal de Esperanto em Genebra na Suíça. Criado por Ludwik Lejzer Zamenhof um linguista tcheco em 1887, o Idioma  Universal chamado Esperanto, é uma língua que utiliza todos os elementos das línguas ocidentais, concebendo vocabulário e gramática bem fáceis, Lorenz se rendeu  a essa língua que ele achou encantadora e já em São Feliciano escreve o livro ESPERANTO SEM MESTRE, para que se aprendesse através da leitura esse novo idioma. Ficou amigo de Zamenhof e trocaram vasta correspondência com o mesmo. Em 1891 teve que deixar a sua pátria, onde suas ideias religiosas e seu ideal político democrático e emancipacionista eram vetados pelo reacionário e antidemocrático governo austríaco, sob o qual a então Tchecoslováquia estava submetida, durante um período Lorenz torna-se então um ativista em defesa de seu povo defendendo as Causas Separatistas da Áustria, mas por este motivo torna-se um dos alvos de seus perseguidores que não queriam a divisão do país, mas a dominação de todo aquele território. E então um amigo ao saber de que queriam tirar a vida de Lorenz, o avisou durante uma reunião e cedeu sua passagem de vinda ao Brasil em seu lugar, pois ele e seus pais estavam com viagem marcada para o próximo dia, o amigo então lhe cedeu a passagem e também um dicionário Tcheco Português para que ele durante a viagem conhecesse um pouco do idioma, mas é claro que com sua facilidade, desembarcou no Brasil falando o idioma português. Em 1893 chega ao Brasil e vai trabalhar por quase um ano em Minas Gerais e Rio de Janeiro. Mas com muita vontade de vir para terras gaúchas no início do ano de 1894 chega a Porto Alegre. Trabalha por algum tempo, mas por passar por situações que o estavam entristecendo resolve vir para o interior e no dia 8 de julho de 1894 chega a Colônia São Feliciano, pois recebeu do governo dois lotes de terra na Linha Apolinário, onde fixou residência, estava então  com 22 anos de idade e já dominando 24 línguas. Vou encerrando por aqui e espero todos na próxima coluna que falaremos dos trabalhos aqui em nossa comunidade, nos acompanhe!


MAIS DO COLUNISTA

FACEBOOK

1

NEWSLETTER

Informe seu e-mail e fique por dentro das nossas novidades!

padaria colunista

PREVISÃO TEMPO

HORÓSCOPO

COTAÇÃO AGRÍCOLA

INSTAGRAM

PODCASTS