Colunistas


Personalidades - Professor Ladislau Topaczewski

Parte I
04/09/2019 Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski

Queridos leitores continuando nossas colunas falando sobre as personalidades, vamos falar sobre um Benemérito Professor que foi muito importante para nossa colônia, pessoa humilde, de inteligência indescritível e coração generoso, que chamava-se Ladislau Topaczewski, grande amigo de Francisco Valdomiro Lorenz, que assim como ele não tinha interesses materiais, sempre fazia tudo por amor, e podia ser um homem rico por sua sabedoria, mas não o quis, terminando seus dias de vida de maneira muito humilde. Como diziam os antigos, não tem como não falar da escolaridade polono-brasileira nos arredores de Dom  Feliciano sem  falar de Ladislau Topaczewski, mas para conhecer bem sua trajetória de vida vamos fazer uma retrospectiva, nasceu em 27 de junho de 1886 em Nur, na Polônia em uma família pobre de aldeões, como sétimo filho. Após concluir o Ensino Fundamental os pais o entregaram a um organista com quem aprendia música sacra, pois não tinham condições para mandar o filho para escolas do lugar. Porém com o passar do tempo ele começa a querer aprender mais, e para isso se muda para a capital Varsóvia.  Na capital da terra polonesa começou a se ligar ao movimento dos operários e lutou pela liberdade do país, pela justiça social e pelos direitos humanos, recebido no PPS (Partido Socialista Polonês), tomava parte ativa de greves e manifestações, conheceu personalidades como Estevão Orzej, Daszunski, Moraczewski, Mar. Jósef Pilsudski, Krzesimowski e outros. Em consequência de uma provocação feita por espiões em 1906, é detido em Praga (Bairro de Varsóvia). Sujeito a inquérito municipal, já demostrando sua bondade, não denuncia ninguém e não reconhece ninguém, por esse motivo é julgado sozinho, condenado a 6 meses de prisão em Pawiak (Prisão dos políticos em Varsóvia no tempo do Tzar) quando saiu da prisão  foi aconselhado pelo partido a passar uma temporada fora do país. Foi então que decidiu  ir para o Canadá, mais tarde para Chicago nos Estados Unidos e finalmente para o Brasil, primeiro vai para o Paraná, depois Santa Catarina e por último Rio Grande do Sul, deixando um rastro de sabedoria, amor ao próximo e  cultura por onde passava.  Em Três Barras no Paraná organizou uma Biblioteca e uma Sociedade Polonesa e deixou uma vasta herança cultural em Araucária, Nova Galícia, Porto União e Rio Grande e por todos os lugares por onde passou antes de chegar a São Feliciano. E para que a coluna não se torne muito longa vou encerrando por aqui, sendo que na segunda coluna sobre Ladislau Topaczewski falaremos sobre sua vida aqui na colônia, até a próxima!


MAIS DO COLUNISTA

FACEBOOK

1

NEWSLETTER

Informe seu e-mail e fique por dentro das nossas novidades!

PREVISÃO TEMPO

HORÓSCOPO

COTAÇÃO AGRÍCOLA

INSTAGRAM

PODCASTS