Geral


Mortalidade infantil no Rio Grande do Sul tem queda de 5% entre 2010 e 2019

O declínio no período analisado se deu, principalmente, por conta da redução nos óbitos das crianças entre 28 e 364 dias
23/06/2021 O Sul

Entre 2010 e 2019, a TMI (Taxa de Mortalidade Infantil) do Rio Grande do Sul apresentou uma queda de 5%, passando de 11,2 para 10,6 a cada mil nascidos vivos. O declínio no período analisado se deu, principalmente, por conta da redução nos óbitos das crianças entre 28 e 364 dias, que caiu de 3,7 para 3 a cada mil nascidos vivos. Na mortalidade neonatal, de crianças entre zero e 27 dias, a taxa oscilou de 7,5 para 7,6 por mil nascidos vivos.

O panorama sobre a mortalidade infantil no Estado pelas suas Regiões de Saúde foi divulgado nesta quarta-feira (23) pelo DEE (Departamento de Economia e Estatística), vinculado à SPGG (Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão).

Conforme o recorte do estudo, na comparação com outros Estados do País, o Rio Grande do Sul ocupa a quarta posição no ranking das menores taxas de mortalidade infantil em 2019, atrás apenas do Distrito Federal (8,5 por mil), Santa Catarina (9,6 por mil) e Paraná (10,3 por mil). A média nacional no último ano analisado era de 12,4 por mil nascidos vivos.

Os números de 2019, apesar de representarem uma queda na comparação com o primeiro ano pesquisado, tiveram uma alta em relação a 2018, quando o indicador registrou a mínima histórica de 9,8 por mil nascidos vivos no Estado.

“O acompanhamento da taxa de mortalidade infantil pode ser entendido como oportunidade para o desenvolvimento de estratégias preventivas direcionadas à redução do risco de óbito no primeiro ano de vida, por meio de políticas públicas relacionadas à saúde das crianças”, explica a pesquisadora do DEE Marilyn Agranonik, responsável pela elaboração do estudo.

Mortalidade infantil por região

Entre as 30 Regiões de Saúde do Rio Grande do Sul, a Entre Rios, que abrange municípios como Santiago e Cacequi, apresentou a menor TMI do Estado (6,4 por mil nascidos vivos), seguida da Botucaraí, de cidades como Soledade e Barros Cassal, com 6,6 por mil, e Uvas e Vales, de Farroupilha e Bom Princípio, com 7 por mil.

Na ponta de baixo do ranking, as regiões com maiores taxas de mortalidade infantil foram as do Pampa, que engloba cidades como Bagé e Dom Pedrito (16,6 por mil), Bons Ventos, que inclui Tramandaí e Santo Antônio da Patrulha (15 por mil), e Campos de Cima da Serra, de Bom Jesus e Vacaria (14,5 por mil).

Entre as observações do estudo está a alta na TMI nas regiões que apresentavam as menores taxas em 2010, como em Saúde Vale da Luz, que engloba cidades como Estrela e Taquari (de 7,4 por mil em 2010 para 9,6 por mil em 2019), Carbonífera, que inclui Arroio dos Ratos e Butiá (de 7,9 para 8,5 por mil), e Santa Cruz do Sul (de 8,4 para 12,5 por mil).

Nas Regiões de Saúde das cidades mais populosas do Rio Grande do Sul, a de Porto Alegre, passou de 11 para 10,1 por mil nascidos vivos entre 2010 e 2019. A região que inclui Caxias do Sul passou de 12,4 para 10,3 por mil e a de Pelotas, de 13,6 para 12,8 por mil nascidos vivos.

Neonatal e pós-neonatal

Ao dividir os componentes da Taxa de Mortalidade Infantil, o estudo do DEE indica a perda de posições do Rio Grande do Sul ao se analisar apenas a mortalidade infantil neonatal, de crianças entre zero e 27 dias.

Entre 2010 e 2018, o Estado se revezava com Santa Catarina entre o primeiro e o segundo lugar entre as unidades da federação com menores taxas, mas os números de 2019 (7,6 por mil nascidos vivos) levaram a uma queda para a oitava posição, atrás do Distrito Federal, Santa Catarina, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rondônia e Tocantins.

Em relação à mortalidade pós-neonatal, de crianças entre 28 e 364 dias, o Estado tem a terceira menor taxa do país (3 por mil), empatado com o Paraná e atrás do Distrito Federal e de Santa Catarina. Em ambos os casos, o Rio Grande do Sul continua com números melhores do que os da média nacional, que é de 8,6 por mil nascidos vivos (neonatal) e 3,8 por mil nascidos vivos (pós-neonatal).

“Os resultados são um alerta para uma possível mudança de tendência nas taxas de mortalidade infantil e seus componentes, mas é necessária uma análise por um período maior de tempo para que se possa verificar se esses aumentos serão mantidos ou se serão apenas oscilações ocasionais”, conclui Marilyn.

Deixar um comentário

MAIS NOTÍCIAS

FACEBOOK

wolce

NEWSLETTER

Informe seu e-mail e fique por dentro das nossas novidades!

eletrica tyskanacional gas telefone 2wolcedj arbrechoAline Rosiak

PREVISÃO TEMPO

HORÓSCOPO

COTAÇÃO AGRÍCOLA

INSTAGRAM

PODCASTS