Colunistas


Personalidades - Venerável Padre Rodolfo Komórek

o Padre Santo
25/11/2019 Fonte: Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski
Luciana Terezinha Novinski

Hoje em nossa coluna iremos falar sobre  o Venerável Pe. RODOLFO KOMÓREK, que por poder tornar-se SANTO, e por ter servido nossa comunidade, o consideramos uma personalidade que por aqui passou. Pe. Rodolfo nasceu dia 11 de outubro de 1890, na cidade de Bielsko, na Polônia. Destacou-se na infância como um menino piedoso e exemplar nos estudos. Ao término do curso do primeiro grau, sentiu despertar em si a vocação sacerdotal e ingressou no seminário diocesano em 1909, aos 18 anos de idade. Ordenando-se sacerdote a 22 de julho de 1913. Durante o espaço de um ano exerceu o ministério sacerdotal nas paróquias de Strumién, Zagreb e Skoczów, com generoso espírito de mortificação e grande dedicação aos mais pobres. No inícios de 1914, ao eclodir a Primeira Grande Guerra, tornou-se capelão militar e recebeu inúmeras honorificências militares pelos grandes serviços prestados ao doentes e feridos no campo de batalha. Nos últimos meses esteve prisioneiro do exército italiano. Ao fim da guerra voltou para a terra natal, voltando a trabalhar no ministério paroquial em Pogwisdów e Frystak, repetindo os mesmos exemplos de devoção, mortificação e atendimento aos pobres e humildes. Em meados de 1922 fez regularmente o ano de noviciado e emitiu seus primeiros votos  a 1º de novembro de 1923. Tanto os superiores como os colegas deram inúmeros depoimentos sobre o heroísmo de Pe. Rodolfo nesse ano de preparação à vida religiosa. Começou trabalhando na paróquia salesiana de Przemysl, durante o ano de 1924. Seu maior desejo era ser missionário. Seus superiores decidiram atender esse seu pedido e o enviaram ao Brasil, que tornou-se, assim, a sua segunda pátria. Começava a segunda grande fase da sua vida  trabalhar na localidade de Dom Feliciano, RS, apoiando e colaborando com o Pároco Pe. Constantino Zajkowski, que era muito ativo,  trabalhou de 1924 a 1928. Ocupava-se do ministério paroquial na sede e nas escolas distribuídas ao longo do território da paróquia, auxiliando no que podia. Atualmente muitas pessoas ainda recordam do Padre Rodolfo em nossa paróquia, pois sua fama de santo por aqui é muito forte, porém o que surpreende que por todos os lugares que o Padre Rodolfo passou é considerado santo, sem sequer uma comunidade saber da outra, atualmente uma das comunidades do interior na Barra do Arroio Tigre leva seu nome. Passou por várias comunidades e paróquias salesianas, onde foi sempre exemplar na prática da pobreza, no espírito de oração e de união com Deus, no amor aos pobres e aos doentes; em particular, sempre disponível, atencioso com todos, descuidado de si e, inclusive, penitente. A última comunidade salesiana em que viveu foi na de São José dos Campos. Aqui, durante oito anos, consumou-se no serviço aos pobres, aos doentes e aos que buscavam o Sacramento da Reconciliação. Morreu com 59 anos, no dia 11 de dezembro de 1949. Seu túmulo está sempre coberto de flores e seus restos mortais repousam na capela anexa à paróquia da Sagrada Família em São José dos Campos, onde os romeiros continuam a visitá-lo e invocá-lo. Os relatos de graças e curas são numerosos, mais de 12 mil. O processo de Beatificação, iniciado em 31 de janeiro de 1964, encerrou-se em 6 de abril de 1995, quando o Papa João Paulo II declarou o Padre Rodolfo VENERÁVEL. Agora se espera algum milagre com vistas à Beatificação e para nossa felicidade e orgulho Venerável Pe. Rodolfo viveu em nossa comunidade.


MAIS DO COLUNISTA

FACEBOOK

NEWSLETTER

Informe seu e-mail e fique por dentro das nossas novidades!

PREVISÃO TEMPO

HORÓSCOPO

COTAÇÃO AGRÍCOLA

INSTAGRAM

PODCASTS